Lima Duarte, do ponto de vista de um tímido

Com exceção dos próprios tímidos, poucas pessoas no mundo conseguem entender o que é sofrer de timidez. Você que já me viu por ai talvez pense: você, tímido? Sim, muito tímido! A verdadeira timidez tem a ver com um impulso forte – algumas vezes desesperado – de se esconder em um universo particular aonde as pessoas não podem te alcançar nas suas qualidades, e muito menos nas fragilidades. Há no mundo pessoas muito falantes, cheias de piadas, carisma e outros artifícios, mas que na verdade são absurdamente tímidas. Estes são os bons tímidos: usam o que têm de talentos para esconder aquilo que realmente têm dentro de si.

Como dizia, só os tímidos sabem a dor de não conseguir dizer “eu te amo” pra pessoa que você mais ama na vida.  Tímidos deixam que o medo do novo e do diferente os paralisem: eles não conseguem convidar a garota de quem estão gostando para pegar um cinema, desistem de eventos sociais porque não conhecem ninguém que estará lá, atravessam a rua por medo de rever alguém com quem não falam há muito tempo, anulam compromissos…

Os tímidos cristãos encontram dificuldades no seu cristianismo: é comum a vergonha e o medo contaminarem a relação com Deus. Tímidos por vezes passam semanas, meses, alguns até anos, lutando contra si mesmo por simplesmente terem medo de confessarem um erro a Deus. Eles relutam, anulam, passam a ignorar o Criador, mas não conseguem expor a sua vergonha e tomar o caminho do arrependimento e do recomeço. É por isso mesmo que, lá em apocalipse, a Bíblia diz que os tímidos não herdarão o reino dos céus: eles dão lugar à culpa, mas não à confissão e ao arrependimento. Ser cristão e tímido é uma luta diária, exige que você supere você mesmo todos os dias e tome o caminho da graça.

E o que tudo isso tem a ver com o carnaval evangelístico em Lima Duarte? Bem, nas pequenas situações desse feriado Deus me capacitou poderosamente a vencer os meus limites de timidez, e por isso mesmo que essa empreitada foi tão marcante!

Foi a mão de Deus que me levou pra Lima Duarte. A viagem de São Paulo foi exaustiva, e quando eu desci naquela cidadezinha, lembrei mais uma vez que eu vinha de semanas seguidas de silêncio e timidez, sem confessar pecados que eu já deveria ter confessado há muito tempo, e sem dar lugar ao recomeço. Tive vontade de me esconder quando vi aquele tanto de gente diferente: me senti deslocado e questionei Deus sobre o porquê de eu ter chegado naquele lugar.

Mas as minhas resistências caíram. A primeira coisa que me marcou foi a singeleza, a comunhão, e o ambiente receptivo das pessoas. Parece bobo, mas estar em um lugar onde você é aceito pelas pessoas sendo você mesmo – sem precisar fazer mais nada – não tem preço! Quebra as resistências de qualquer tímido.

As programações também me marcaram muito. A mais inesquecível de todas foi o evangelismo no carnaval do centro. Quase entrei em pânico quando soube que iríamos lá expor Jesus e a nós mesmos pra pessoas tão diferentes. Relutei dentro de mim, mas acabei indo. “Eu posso pegar poucos folhetos e ficar em um cantinho esperando as outras pessoas acabarem”, pensei.

Chegando lá fui contagiado! Depois de cantar, dançar, pregar, sorrir, entregar folhetos e orar, eu estava com o meu coração alegre por ter superado mais uma barreira de timidez. Antes de dormir naquela noite eu orei a Deus me reconciliando com ele. Agradecendo por saber que o Espírito Santo me chamou pra ter um papel na obra do reino dele, mesmo eu sendo quem eu sou. Orei fazendo mais uma vez o mesmo voto: não importa o quão difícil vai ser vencer a mim mesmo, eu não vou desistir no meio da corrida.

Outras coisas deixaram marcas, daria pra escrever mais muitas páginas: o sorriso das crianças na ação social, a dona Ana Maria do asilo, cheia de sabedoria. A liderança do Thiago, sempre colocando as pessoas nos lugares aonde podem dar o seu melhor pro reino, a mensagem sobre o filho pródigo, as pessoas novas… a sopa de bacon com legumes! Talvez a cena bíblica mais semelhante ao que senti seja aquela em que Jesus reaparece a Pedro quando ele já havia voltado às velhas práticas, marca a vida dele com o mesmo milagre dos primeiros dias, cura-o dos erros do passado e lhe entrega a missão: “tu me amas? Então apascenta as minhas ovelhas!”.

Um abraço, do irmão de São Paulo.

Ricardo Régener

Anúncios

~ por ministerioentrejovens em março 14, 2011.

2 Respostas to “Lima Duarte, do ponto de vista de um tímido”

  1. Amém..que seja assim na vida do Regener! Amigo querido!
    Benção seu testemunho…

  2. muito bom saber que o nosso amigo se sentiu assim, regener saiba que estamos juntos pro que der e vier (obs: não fui a lima duarte nessa viagem, mas seu depoimento me comoveu de verdade!), que a cada dia mais vc possa vencer barreiras existentes na tua vida sempre contando com soberana vontade de Deus!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: